Futuros do passado

Estive lendo a versão digital de “Futuros Imaginários”, de Richard Barbrook, PhD pela Universidade londrina de Westminster e ex-punk (isso foi anos 80).O livro é bastante original e brilhantemente embasado em pesquisas que demonstram como a política influenciou a forma pela qual a internet foi gerada e é controlada atualmente.O ponto de partida do livro é a Feira Mundial de Nova York em 1964, que Richard visitou ainda criança, levado por seus pais.

O autor vai comentando, de forma envolvente, os primórdios da internet, durante o período da Guerra Fria,  analisando como a política influenciou os avanços tecnológicos que nos levaram ao mundo conectado atual. É provável que uma boa parte da decadência dos regimes comunistas tenha sido acelerada por este grande desequiíbrio tecnológico entre a Rússia e os EUA.

Nos EUA as novas formas de produção possibilitadas pela nascente indústria de informática americana rapidamente tornaram ainda mais obsoletos as formas de produção e o controle centralizado do conhecimento, nos regimes comunistas.

Nos anos 50-60, os líderes americanos criaram uma visão cuidadosamente orquestrada de um futuro imaginário, em que a tecnologia digital se tornaria a mola mestra de uma nova economia capitalista (o que se confirmou, nos Estados Unidos e no mundo ocidental) e haveria um futuro brilhantemente promissor para todos (ou seja, viajaram bonito nessa onda do tecno-positivismo).

Neste cenário, em breve os robôs lavariam as louças, iriam trabalhar e pensariam por nós (como era prometido na feira de 1964). Com os Estados Unidos na vanguarda destas promessas, algumas obviamente inviáveis, o tecno-positivismo prometia que robôs teriam em breve “inteligência artificial”, superior à humana (ateh agora isso nao rolou, mas sabe la’ daqui uns anos).

Barbrook desafia as novas gerações a resistirem à política do status quo e a utilizarem a ferramenta política mais poderosa do mundo, a internet e o software livre, para dar uma melhor forma ao seu próprio destino. Inspirador e super atual.

Para baixar o livro (fique tranquilo, é autorizado pelo autor), clique aqui.

Anúncios
Publicado em Sem categoria

Trilha sonora para uma sexta chuvosa

Nick Drake eh desses obscuros artistas rimbaudianos que deram o fora desse planeta muito cedo, aos vinte e poucos anos, deixando um legado de tres discos de folk profundamente tocantes.

Para amplificar esse sentimento de sinceridade poetica de alta voltagem, numa sexta chuvosa, sugiro uma poesia de  Torquato Neto (outro dessa estirpe de Drake e Ana Cristina Cesar):

“Eu sou como eu sou
pronome
pessoal intransferível
do homem que iniciei
na medida do impossível

Eu sou como eu sou
agora
sem grandes segredos dantes
sem novos secretos dentes
nesta hora

Eu sou como eu sou
presente
desferrolhado indecente
feito um pedaço de mim
Eu sou como eu sou
vidente
e vivo tranqüilamente
todas as horas do fim.”

Publicado em Sem categoria

Se cuida Black Keys

Mais uma banda na formacao batera-guitarra, o duo My Goodness, de Seattle, segue a receita blues rock + psicodelia, com mais peso que o Black Keys. Check it out:

Publicado em Sem categoria

A cidade onde os jovens vão para se aposentar

Portland, no Oregon,  representa um estilo de vida (s)low profile, pouco comum em uma sociedade super competitiva como a americana. Refugio de freaks variados com uma vibe riponga-alternativa que vai do apreço por alimentos orgânicos ao desprezo por meios de transporte motorizados. Dai o mote local: “A cidade onde os jovens vão para se aposentar”.

São outros vários os adjetivos possíveis, alguns bastante europeus, como: a capital nacional das bicicletas, a capital das microcervejarias, a capital do food truck, a capital do donut decorado com tiras de bacon, a capital das lojas de discos de vinil, a capital da chuva, a cidade que parou nos anos 90. Esse mito freak em torno da cidade, gerou inclusive um seriado, Portlandia.

Publicado em Sem categoria

O retorno do retorno – ou como perder tempo só mais uma vez

 
Relendo uma cronica genial do Antonio Prata, que guardei no bau da internet, como um bookmark perdido no tempo…
FOLHA DE SP – 09/05/12

De todos os germes de loucura que um dia possam brotar, há um que tem me incomodado bastante 

“Todos sabem que a barreira entre a sanidade e a loucura é mais fina do que Magipack: uma esticadinha, uma alfinetada e, pronto, nosso sarapatel de caraminholas pode entornar sobre a reluzente fórmica da consciência. Convenhamos, se fosse possível filmar o que passa por sua cabeça numa mera ida à padaria, você seria amarrado a uma camisa de força antes mesmo de conseguir comer um pão na chapa, tantas seriam as sandices sem nexo -e, pior ainda, as com nexo- projetadas na tela do pensamento.

De todos os germes de loucura que, temo, um dia possam brotar, há um que tem me incomodado bastante ultimamente. Trata-se de uma loucura antiga que agora resolveu me visitar de roupa nova. A loucura antiga, que me acompanha desde que me conheço por gente -desde, portanto, que me desconheço-, é a seguinte. Estou numa estrada. Avisto uma placa de retorno. Meu medo é pegar esse retorno, fazer o oito no viaduto sobre a estrada e, do lado de lá, entrar novamente no retorno para o sentido em que eu vinha. Chegando ao ponto de partida, mais uma vez, pegaria o retorno, e ficaria preso nesse circuito de autorama até acabar a gasolina, até, quem sabe, ser parado pela polícia com tiros no pneu -mas quem garante que, então, não seguiria a pé, fazendo sempre o mesmo caminho, entregue à satisfação infantil da repetição?

A versão atual da fantasia tem o mesmo conteúdo, mas o cenário não é mais uma estrada, e sim as redes sociais e o e-mail. Estou no meio de um texto e ouço o bipe de chegada de mensagem. É a placa de retorno, acenando-me, a chamada para que eu saia da rota. Assim faço: minimizo o Word e abro o Outlook. Se eu logo voltasse ao trabalho, estaria tudo certo, mas não: decido pegar um outro desvio e abro o Facebook. Não satisfeito, entro no Twitter. Então, quando estou indo pro Word novamente, penso: por que não abrir o e-mail, só mais uma vez?

Só mais uma vez? Será? Quem garante que, terminado o segundo passeio pelo circuito, eu não vá recomeçá-lo? E re-recomeçá-lo? E re-re-recomeçá-lo? Como saber se eu conseguirei sair dessa montanha-russa do diabo, dessa inútil roda de ratinho de laboratório? Há dias em que passo 30, 40 minutos indo de um programa pro outro, como uma bola de pinball sendo ricocheteada pelos pinos e barras coloridas da máquina.

Alguns anos atrás, no metrô, vi um cara atravessar a estação tocando todos os cartazes de publicidade com o indicador da mão direita. Quando chegou ao fim, parou, virou-se e percebi em seus olhos vidrados o desespero do abismo. Era a placa de retorno que ele encarava. Respirou fundo, como se prestes a encarar uma missão enfadonha, mas incontornável, e cruzou a estação no sentido contrário, tocando as mesmas placas com o indicador esquerdo.

Acho que meu Magipack ainda está em boas condições, mas não custa deixar o aviso: por favor, Andressa, Lívia, Denise, Daniela e Adriano, se um dia minha crônica não chegar ao jornal, contatem um parente, peçam para um vizinho atirar garrafas de água mineral e maçãs pela janela do escritório, para o zelador cortar minha luz. Há grandes chances de que eu esteja preso no retorno do retorno do retorno do retorno do retorno..”

Publicado em Sem categoria

UFO da China

Um objeto voador não identificado forçou o aeroporto Xiaoshan, na cidade de Hangzhow, na China, a suspender as operações no último dia 7 de julho. Desde então, imagens e vídeos do acontecimento feitas por moradores da cidade circulam pela internet, em discussões sobre o que seria o tal objeto. Ver abaixo:

A China parece ser uma base de pouso comum nas viagens intergalacticas, conforme outros videos: